Um homem sério.

Ele olha para o caderninho de lápis na mão. Se virar o lápis ao contrário e apontar a cabeça de borracha para onde o zero está, fica logo mais perto. Três movimentos de fricção sobre o papel, logo a seguir a inscrição de um número um e fica logo tudo bem. Talvez ela desista de ir viver com o instrutor de condução, talvez o irmão aceite ficar uns tempos nas termas a ver se se deixa de vozes e de luzes. Infiltrações de água certamente que nunca mais – e podiam vir a ser quinhentas, pela casa toda. Uma vida a ser sério e agora basta um gesto de nada para passar a ser um traste com dinheiro. Os dedos rodam o lápis sozinhos, a borracha encosta-se ao caderno, ele só assiste enquanto o carvão escreve um número um na linha onde o zero estava e o telefone toca.

Boa tarde, senhor engenheiro. O doutor pede que passe no consultório logo que possa para falarem sobre as análises da semana passada.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: